06/09/2015

Das velhas amizades que se vão.

Uma das coisas ruins de crescer é que ao criar suas próprias responsabilidades e ter de cuidar de seus problemas, muitas vezes eles tomam conta de seu tempo.
E no tempo que te sobra tudo que você deseja é uma cama confortável e algumas horas de sua série favorita.
Com isso, aqueles velhos e ótimos encontros com os amigos se tornam escassos...
Eles também tem seus problemas, responsabilidades e o desejo pelo tempo de descanso.
Assim, a vida parece por si mesma começar a selecionar suas amizades.
Quem vai, quem fica, quem chega...
Me afastei de muitos dessa forma e muitos se afastaram também.
Seguindo caminhos diferentes onde não há mais tempo para aquelas velhas amizades.
Os que ficam, se tornam mais preciosos e essenciais do que pareciam ser antes, pois agora sim a amizade tem que superar as adversidades, agora sim vocês tem que exercer a compreensão e estar lá da forma que puder.

Sinto saudades daqueles velhos amigos e dos velhos encontros...
Lamento que hoje muitos tenham se tornado quase estranhos para mim e que não tenha restado quase nada além de boas lembranças.
Mas fico feliz pelos poucos que conto em uma mão.
Eles que me mantém sã neste mundo louco, nessa vida corrida... 
Me fazem sorrir e chorar mesmo em conversas rápidas em aplicativos de mensagens.
Eles se importam e são com quem me importo mais.
De resto, fica a nostalgia.