28/10/2009

Memórias!



Como são as coisas, né?
Dia desses recebi a notícia de que meu primeiro namorado (não namoradinho de colégio, ou ficante), namorado mesmo, de namorar em casa e tudo (inclusive eu tinha 14 anos e ele 19) está noivo e vai ser papai.
Na época que eu trabalhava na loja do shopping daqui de Betim ele esteve lá com a tal namorada e nem sequer me cumprimentou..
Evitou até de olhar na minha cara.
Dizem que ela tem ciúmes até da sombra dele.
Bobeira, né?

Pois é...
E uns dias atrás deixei um recado para um ex-namorado de Itabira, uma pessoa que gostei muito e que ainda gosto de alguma forma, mas sabe quando você sabe que não dá mais certo?
É assim que sinto.
Depois de um tempo que terminamos - porque me mudei para Betim e por vários motivos - ele pediu para voltar.
E não foi só uma vez.
E apesar de ter sido bom o tempo que ficamos juntos,
apesar de gostar muito dele, e de ter sentido por ele algo que não tinha sentido por ninguém antes, e da nossa história ter sido tão diferente e tão marcante, eu não aceitei. Não quis.
Não é que eu me arrependo.
Eu sei que foi melhor assim, pois do jeito que estava nosso relacionamento estava fadado ao fracasso.
Na verdade resistimos por muitas coisas enquanto estivemos juntos, eu principalmente.
Não houve traição pelo menos que eu saiba.
Mas algumas pessoas gostavam de atrapalhar tanto que inventavam, enchiam a cabeça dele. E ele era sincero e sempre me contava. Mas apesar disso eu ficava mal, claro!
Quando me mudei para Betim para estudar, ainda continuamos juntos por mais um certo tempo, até que a distância e a falta de tempo pra gente se ver falou mais alto.
Quando eu estava perto nos víamos com frequência e já tinha gente pra inventar coisas a meu respeito, imagina eu morando em outra cidade?
Pior ainda, não é?
Então decidimos por terminar.
Alguns de vocês podem pensar: "e por que você não largou tudo pra ficar com ele?"
e eu respondo: Porque eu quero demais me formar e ser uma grande profissional, ou seja, uma grande psicóloga, poder ajudar outras pessoas, poder ME ajudar... Além disso, Itabira não é cidade para mim. Não é cidade para morar, quando se está acostumado com uma cidade como Betim (que é quase uma BH). Se ele estivesse mais perto, talvez teria dado certo, mas como saber?
TALVEZ... sempre talvez...
Talvez sim, talvez não..
Ou eu abria mão dos meus sonhos, ou ele abria mão dos dele.
Então conversamos.
E apesar de ter sido difícil, decidimos pelo fim do namoro, cada um ficava "na sua".
Se a gente tivesse que ficar juntos, ficaríamos.
No recado que deixei pra ele semana passada, disse que desejo que ele seja muito feliz sempre, que gosto muito dele e que é pra ele se cuidar (além de ter perguntado pela família e talz)...
O fato é que ele está namorando e a namorada andou bicando meu perfil e eu visitei o dela de volta, e então ela me deixou um recado agradecendo pelas felicitações que dei a ele, que sim, ele está muito feliz, que estão morando juntos e com data de casamento marcada.
Eu respondi que desejo felicidades aos dois, e que se deixei má impressão, não foi minha intenção (e não foi mesmo!).

Fiquei pensando naquilo... É mais um ex-namorado meu que vai se casar!
Claro, até cheguei a pensar se não poderia ser eu a noiva, mas esse pensamento logo logo foi embora.

Acho que quando você percebe que não dá mais, não adianta insistir.
Mesmo que exista sentimento, é melhor cada um seguir seu caminho e tentar ser feliz de outra forma, com outra pessoa e deixar o que resta daquele sentimento guardado, preservado. Pelo menos você tem algo de bom pra se lembrar. E quando a gente gosta a gente quer mais é que a pessoa seja feliz!

E apesar de ser doloroso, a gente não pode ter tudo na vida, né?
Para se alcançar certos objetivos temos que abrir mão de outros.
As vezes abrimos mão de pessoas...Da presença delas...
Mas se não ousarmos, nunca conseguiremos ver nossos sonhos realizados.

Dia desses uma colega de sala que gosto muito disse uma frase que não vou esquecer jamais, e é com ela que termino esta postagem:


"Se você guarda seus sonhos numa gaveta por muito tempo, pode ser que depois você não consiga tirá-los de lá."


Beijos!

22/10/2009

Continuaaando..



Desculpem a demora, mas é que estou cheia de trabalhos e provas!
E além disso é fisioterapia, hidroginástica, etc...

Bom, mas continuando,
O meu médico doido-amigo disse pra eu me cuidar.
Que preciso acordar e perceber que só eu posso realmente cuidar de mim.
Que pode ser que mais tarde ele me indique uma terapia (olha ela aí!) pois passei por um marco muito importante na minha vida.
Estar ali, numa cama de hospital, internada por 17 dias, passar por 3 cirurgias, diversos exames, estar a mercê da ajuda dos outros, estar como um objeto, pois fazia o que me mandavam (logo eu q o q mais prezo é minha autonomia e independência). Uma garota de 19 anos tomando banho de leito dos enfermeiros porque não conseguia e não podia se levantar. Isso abala. Isso muda muito uma pessoa.
Foi mais ou menos com essas palavras que ele falou.

Me segurei para não desabar ali mesmo, sobre a mesa do consultório e encharcar os papéis dele.
Só eu sei o quanto essa(s) cirurgia(s) me marcou e me mudou.
Dia desses uma professora comentando sobre traços de personalidade, disse que certos acontecimentos - como passar por cirurgias, morte de entes queridos, acidentes, e outros - podem ser tão traumáticos e marcar tanto que mudam certos traços da personalidade do sujeito.
Percebi muito disso em mim mesma.
Passamos a dar um valor maior a certas coisas quando sofremos um tipo de "trauma".
Parei para pensar no que eu queria para mim, o que estava fazendo da minha vida, o que e quem era importante para mim, quem realmente se importava comigo. Quem sou eu.
Esta última, claro, não dá pra responder definitivamente.
E infelizmente estas reflexões não me trouxeram tantas coisas boas, pois me jogaram mais fundo na minha solidão. Me fez uma pessoa mais fechada.
Com mais vontade de ficar boa e de realizar meus sonhos, sim, claro, é verdade.
Mas pensando melhor nos modos de alcançar meus objetivos, em quem vai estar ao meu lado. Buscando sempre 1º a minha saúde, meu conhecimento, meu crescimento, meu bem-estar. Por um lado isso é bom.
Mas pensando e quem vai estar comigo, é como um filme em que vejo as pessoas sumindo... Sobram poucas pessoas. Poucos amigos. Mas os verdadeiros.
Talvez eu é que deposite confiança demais, dê o máximo de mim e espere demais dos outros.
Por isso me machuco. E por isso agora me fechei um pouco mais.
Dia desses tive que sair da sala de aula de tanta angústia (inclusive este era o assunto que estava sendo estudado) que eu estava sentindo, tanta vontade de chorar, solidão, desespero. E ninguém notou quando saí. Nem quando voltei...
Apesar de gostar da solidão, sinto falta de ter alguém comigo.
Para me dar carinho,
me dar o ombro para chorar,
um beijo para acalmar,
uma palavra para me fazer sorrir,
um abraço para proteger e aquecer....

Enquanto não encontro, vou vivendo minha solidão.

BeeeijOs!

14/10/2009

=D





Olás!

Dia desses, mais precisamente sexta passada (09/10), tive uma consulta de "rotina" com meu médico, o que me operou, e como ja comentei,é um médico muito competente (neurocirurgião).
Não conheço muitos neuros (talvez uns 2 ou 3) mas se todos forem como esse, são como dizem dos psiquiatras: todos uns loucos. No bom sentido. rs.

É o tipo de médico que olha nos olhos da gente, que conversa, que quer saber de tudo: desde como está a cirurgia até como andam as coisas na facul, namoros e rolos, etc. Que exige noticias sempre.
É o tipo "médico-amigo".
Gosto de gente assim.
E além de se interessar pela vida da gente, acaba contando casos da própria vida e aí que caímos na risada! É cada uma..
Ele é mestre nisso.. Nunca saí daquele consultório sem dar umas risadas...
E o engraçado é que agora ele tá se tornando médico da familia, pois começou tratando a hernia discal do meu pai, depois minha fratura, ha pouco tempo uns avcs do meu avô(que ja está quase 100%) e agora meu pai falou que vai levr minha avó..
hahaha
e o Dr. Lara disse pranão espalhar pq fica estranho um neuro ser médico da familia. Geralmente medico da familia é clinico geral, dentista, qualquer outra coisa, mas neuro, o povo pensa logo em psiquiatra.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Psiquiatra d familia não pega bem....

Voltando à consulta, como ja era de se esperar, os movimentos da minha perna esquerda ainda não voltaram completamente. Os reflexos estão ótimos, mas não tenho força praticamente nenhuma no pé. Mas aos poucos está melhorando. Mandou o que é de praxe: praticar exercicios (mas com moderação!) e não abusar...
Aumentou um pouco as doses de remedios.. AFF! =/
E conversou muito...
Coisas que eu já sabia, já estava remoendo há tempos e vivo comentando aqui.
Mas eu falo disso depois.
Continuo no proximo, senão essa postagem vai ficar grande demaaaais!!!
Só quis dar satisfações..
Hoje coloquei net aqui em casa de novo..
TÔ DE VOLTA!

BeeeeeijOs!

01/10/2009

Angústia




Me fecho. Me prendo. Me exponho. Me abro.
Sumo. Reapareço. Me aproximo. Me afasto.
Estou sorrindo e estou triste.
Estou angustiada.
Estado permanente.
Ninguém nota.
Disfarço.
Solidão.
Opção.
Amor próprio.
Quem sou eu?
Posso me amar?
Precioso me afastar de mim para me conhecer.
Sumir para me achar.
Coisas ruins andam passando pela minha cabeça.
Mas como não sou egoísta nem tão corajosa,
não posso ouvir estes pensamentos.
Preciso suportar.
Respirar.
Sentirão minha falta?
Faço falta?
Que sentimento angustiante é esse que arranca lágrimas dos meus olhos?
Me provoca dor...
Me faz querer ficar cada vez mais sozinha na minha própria solidão, ao mesmo tempo em que desejo um colo, um abraço, um afago, um ombro para chorar..
Preciso encontrar um sentido.
Estou perdendo todos.
Acho que vou procurar um analista..!

"..Tem dias que tudo está em paz..E agora os dias são iguais.
Se fosse só sentir saudade...Mas tem sempre algo mais!
Seja como for.. É uma dor que dói no peito."

Beijos!