29/03/2011

Palavras que talvez nunca sejam ditas.



Você me confunde com suas palavras e suas atitudes...
As vezes não sei o que dizer ou como devo agir com você.
Não posso negar que tem sido tudo muito bom, e que estou mais alegre, mais feliz talvez, desde o momento em que você passou a fazer parte da minha vida.
Mas todas estas dúvidas me angustiam.
Tem coisas que eu gostaria de dizer, mas não sei da sua reação.
Ou melhor, eu imagino que não seria como eu realmente gostaria.
Por enquanto tem sido bom, estou "satisfeita" e conseguindo deixar as coisas rolarem com uma certa paciência. E esperança, talvez...
Mas sinceramente, não sei até quando posso e até onde isso vai.
Não posso, não consigo viver sempre nessa situação.

Eu gosto tanto de você, e você sabe bem disso.
Sempre deixei claro.
E acredito que tenho demonstrado.
E percebo de você uma reciprocidade.
Mas ao mesmo tempo, não sei, mas acho que seja esse teu medo...
Que não sei ao certo de quê.
Você acaba sendo um mistério pra mim.
Eu tento, estou tentando, e tentarei sim desvendar.
Mas até quando?
Até quanto posso me prender a você, me permitir gostar tanto de você, fechar o meu coração para outras pessoas, se eu não sei o que esperar de você?

Pode parecer egoísmo...
Mas é o que sinto.
Não quero me doar tanto mais, não quero me doer.
Eu preciso de uma relação a dois, uma reciprocidade mesmo, via de mão dupla.
Tenha certeza que tenho muuuuito pra te dar e pra te fazer feliz sim.

Mas isso, só se você deixar.

Espero que leia isto... E entenda.
_______________________________

27/03/2011

E está valendo, apesar de!



As vezes o que acaba comigo é este seu medo..
Medo de se entregar, do que pode acontecer.
Achava que nesta história toda eu é quem me sentiria assim, já que bati a cara na parede tantas e tantas vezes...

A gente tem tudo conspirando a nosso favor, temos tudo para dar certo, e mesmo assim esse teu medo anda assombrando.

As vezes sou eu quem me sinto insegura, cheia de dúvidas apesar de todas as certezas.
Eu jamais faria algo para te magoar, acredite!

Mas provavelmente as palavras não devem bastar diante da força deste medo que você sente.
Traumas eu também tenho. Talvez até mais do que você.
Meus relacionamentos que deram realmente certo (mesmo que tenham acabado), posso contar nos dedos de uma mão.

Já sou experiente neste assunto de quebrar a cara, de se machucar.
Mas apesar das minhas crises eventuais, eu continuo em frente, e continuo acreditando que pode ser diferente.

Mas tudo bem... Eu sei esperar.
Aos poucos eu sei que isso vai passando.
E se não passar, terá valido a pena.
Está valendo.


"As coisas vão dar certo. Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa."

Porque o que tem que ser, tem muita força! ;)
__________________

BeijOs!

23/03/2011

Quase sem querer



"Tenho andado distraído,
Impaciente e indeciso
E ainda estou confuso.

Só que agora é diferente:
To tão tranquilo
E tão contente.

Quantas chances desperdicei
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo o mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém.


Me fiz em mil pedaços
Pra você juntar
E queria sempre achar
Explicação pro que eu sentia.

Como um anjo caído
Fiz questão de esquecer
Que mentir pra si mesmo
É sempre a pior mentira.


Mas não sou mais
Tão criança a ponto de saber tudo.
Já não me preocupo
Se eu não sei porquê

Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você.

Tão correto e tão bonito
O infinito é realmente
Um dos deuses mais lindos.

Sei que às vezes uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?


Me disseram que você
estava chorando
E foi então que percebi
Como lhe quero tanto.

Já não me preocupo
Se eu não sei porquê
Às vezes o que eu vejo

Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você"


_________________
Linda né?
:)

Estou mesmo de cabeça quente estes dias...
Angustiada com a monografia..
Quanto mais escrevo, mais vejo que ainda não escrevi nada!
=/

Mas de pouco em pouco ta andando..

BeijO enorme a todos...

18/03/2011

Parei com a brincadeira!




Não quero e não posso mais ficar apostando todas as minhas fichas em coisas que podem não levar a nada.
Não quero me esfoçar sem retorno, me enganar.
Não consigo amar por amar,
Não consigo gostar de graça,
Não consigo esquecer.
Se não terei os meus “lucros”, não vale tanto a pena.
Foi a época que era tão altruísta assim.
Acho que preciso ser um pouco mais egocêntrica.
Parar com essa coisa de pensar tanto no Outro, no que ele pode pensar, no que ele precisa de mim, no que posso ou devo oferecer.
Não posso mais viver assim, em função dos outros, sem ter nada em troca.
Sem realmente apostar em algo que colherei os frutos mais tarde.
To cansada desse jogo em que jogo sozinha, desse monólogo, de me doar tanto.
Ou as coisas mudam, ou eu paro de jogar.
Não brinco mais.
Tô de altas.

Estou mais ou menos hoje, como vocês devem ter percebido.
Peço desculpas (sempre) pelos meus sumiços..
Mas é que a facul está me matando!
Aah, ao menos uma boa notícia: consegui o estágio no PET/saúde mental (trabalho com usuários de drogas).
:)
Ao menos isso...
BeijO grande e um forte abraço...

07/03/2011

Meu "nome" é Intensidade...




Acho que preciso parar com essa coisa de sentir tanto.
Essa minha intensidade faz com que tudo que eu sinto seja maior, em dobro.
Amar demais...
Odiar demais...
Sofrer demais.. (até por coisas que não valem a pena, ou que nem são tão reais assim).

Este último ganha destaque por causa desse meu jeito.

As vezes tudo que eu queria é que as pessoas entendessem e pudessem sentir como eu sinto.
Ou então, que eu simplesmente não sentisse tanto. Que fosse mais "dura", que eu pudesse controlar meus sentimentos.

Tudo seria bem mais fácil e menos doloroso...

E essa minha mania besta de criar expectativas demais em relação as pessoas, talvez nem existisse.

Acho que eu seria uma pessoa mais fria se fosse realmente assim...
Mas as coisas como são, como acontecem, já me fazem ir me fechando em meu casulo.
Talvez por medo de as pessoas não entenderem, se assustarem, ou mesmo de não poderem corresponder.
É um risco que corro sempre.

Estou de saco cheio de derramar lágrimas que parecem de sangue.

Estou de saco cheio dessa angústia, do coração apertado e falta de ar.

Estou de saco cheio dos questionamentos de sempre...

Queria poder deixar pra lá, jogar tudo pro alto, não me importar...
Mas não consigo.
_____________________________________

"E lá vou eu, nas minhas tentativas, às vezes meio cegas, às vezes meio burras, tentar acertar os passos."

Caio Fernando Abreu


Ps: Eu estou bem... Só incomodada com estas coisas de sentir tanto, de criar expectativas demais, de ficar ansiosa, de sonhar demais.

BeijOs!