25/04/2018

Breve adeus

A dor de perder alguém que amamos é indescritível. Ainda me sinto meio que anestesiada, como se não fosse real. Como se logo fosse acordar e tudo não passasse de um sonho muito ruim. 

É como morrer um pouco, mesmo que o coração continue a bater. O luto nos torna um lugar ruim. Queremos fugir de nós mesmos, perder a memória, trocar de papel. Qualquer coisa que nos arranque a dor com a mão, que nos salve do horror de sentir que alguém foi amputado de nós. Não há alívio imediato.

A morte é uma verdade disfarçada de absurdo. Não se arrepende, não volta atrás. É o verdadeiro “para sempre”. É telefone que não toca, silêncio que ensurdece, pesadelo que não acaba, falta que jamais deixará de ser. 

Ainda que a morte seja a única certeza para todos, não nos preparamos para a despedida. Não estamos prontos. Nunca. Mesmo naqueles casos onde temos a consciência de que a morte foi um “descanso”. A esperança se mantém até o último instante. Uma fagulha. 

A partida vem como um golpe, uma rasteira. É difícil se levantar. É difícil respirar. É doloroso enfrentar a realidade, como um punhal espetado em seu peito. 

A verdade é que somos todos um pouco egoístas nestes momentos. Não queremos que partam. Não queremos a ausência. A casa fica mais vazia... Os planos futuros ficaram no caminho... 

Seguir em frente é necessário. 
E encontramos certo conforto em acreditar que aqueles que se foram estão agora ao lado dos que partiram antes. Estão ao lado do Pai. Cumpriram sua missão neste plano.

A saudade aperta. Muito. Forte. Rasga o peito. 
É ferida que não sara. Um dia deixará de sangrar, mas continuará ali. 

E pedimos força para continuarmos a nossa missão. Voltaremos a nos encontrar. 
Que Deus tenha piedade de nós! 

“Não é mais que um até logo... 
Não é mais que um breve adeus! 
Bem cedo junto ao fogo, tornaremos a nos ver.” 

24/05/2017

Céu nublado

Tem dias que ficam cinzentos, chuvosos.
Todo mundo meio quieto, calado.
Quase um clima de tristeza para todo canto que se olhe.

Para mim, o problema nao são as nuvens nem a chuva do lado de fora. Gosto delas.

São as de dentro que mexem comigo.

Tenho os meus próprios dias nublados.
Pensativa, triste, nostálgica, solitária...

Há um tempo estes dias eram constantes. Hoje eles são poucos, mas existem.

A unica coisa que você pode fazer é me amar mesmo nos meus dias nublados, não se afastar de mim, não deixar que a chuva estrague o sentimento nem que as nuvens encobram o encanto.
Do lado de cá vou fazendo o mesmo.

Sempre.

Deixa chover. Lava a alma.

O sol virá.

18/02/2017

A gente reaprende

E de repente sorrir volta a ser algo tão natural quanto a luz do dia. 


11/02/2017

Tenta me reconhecer no temporal

Eu ainda estou aqui 
Perdida em mil versões irreais de mim.
Estou aqui por trás de todo o caos 
Em que a vida se fez...

Tenta me reconhecer no temporal 
Me espera!
Tenta não se acostumar,
Eu volto já... Me espera! 

Eu que tanto me perdi
Em sãs desilusões 
Ideais de mim... 

Não me esqueci 
De quem eu sou 
E o quanto devo a você..

Tenta me reconhecer no temporal 
Me espera!
Tenta não se acostumar 
Eu volto já... Me espera! 

Mesmo quando me descuido 
Me desloco 
Me deslumbro 
Perco o foco 
Perco o chão 
E perco o ar...
Me reconheço em teu olhar
Que é o fio pra me guiar 
De volta...De volta...

Tenta me reconhecer no temporal
Me espera!
No temporal...
Me espera!
Tenta não se acostumar,
 Eu volto já...
Me espera!

Eu ainda estou aqui...
[Sandy]

____________
Sem comentarios. 
Tão linda, tão cheia de sentimentos... 
❤️