13/06/2009



Qual o preço que se paga pela liberdade?
Esta questão ressoa em minha mente.
O que é preciso perder para se ter liberdade?
Amores?
Amigos?
Desejos?

Cada um paga o preço que deve.
É possivel sim ser livre quando se ama.
Amar não é prender.
Deixar livre o que amamos é a melhor forma de demonstrar que se ama.

Quem prende não tem amor. Tem possessão.
Quer ser dono.
Quem ama quer ser companheiro.

Já paguei diversas vezes preços altos pela minha liberdade.
Se valeu a pena?
Na época sim.
Hoje não sei.

Mas a liberdade é o bem mais precioso para qualquer ser.
E eu a buscarei sempre.

"A liberdade não consiste só em seguir a sua própria vontade, mas às vezes também em fugir dela."

Sim, fugir da vontade.
Guardá-la para si mesmo.
Sufocá-la.

Isso também é ser livre.
Liberdade de escolhas.
Ultimamente estou usando-a muito..
Se eu deixar falar mais alto as minhas vontades,
Sumo.
Sumo e não dou notícias.
Pois esta é a minha maior vontade:
Juntar as coisas,
Botar mochila nas costas,
e sair por aí..
Sem rumo,
Sem lenço e sem documento.
Não dever nada a ninguém.
Nenhuma satisfação, nenhuma explicação, nenhuma desculpa.
Fazer o que der na cachola.
Ser quem me der vontade de ser.
Ir até onde eu desejar.

Ir até onde eu puder chegar.
Quando não der mais, eu paro.
Paro e descanso.
Depois continuo meu caminho.
Ou melhor, qualquer caminho.

2 comentários:

Lucas Guimarães Figueiredo disse...

Somos presos na liberdade...

Rodolfo disse...

liberdade e uma utopia, somos livres em partes a sociedade sempre cumpre o papel de represão, c naum ela vc mesmo c repreende!!