22/10/2009

Continuaaando..



Desculpem a demora, mas é que estou cheia de trabalhos e provas!
E além disso é fisioterapia, hidroginástica, etc...

Bom, mas continuando,
O meu médico doido-amigo disse pra eu me cuidar.
Que preciso acordar e perceber que só eu posso realmente cuidar de mim.
Que pode ser que mais tarde ele me indique uma terapia (olha ela aí!) pois passei por um marco muito importante na minha vida.
Estar ali, numa cama de hospital, internada por 17 dias, passar por 3 cirurgias, diversos exames, estar a mercê da ajuda dos outros, estar como um objeto, pois fazia o que me mandavam (logo eu q o q mais prezo é minha autonomia e independência). Uma garota de 19 anos tomando banho de leito dos enfermeiros porque não conseguia e não podia se levantar. Isso abala. Isso muda muito uma pessoa.
Foi mais ou menos com essas palavras que ele falou.

Me segurei para não desabar ali mesmo, sobre a mesa do consultório e encharcar os papéis dele.
Só eu sei o quanto essa(s) cirurgia(s) me marcou e me mudou.
Dia desses uma professora comentando sobre traços de personalidade, disse que certos acontecimentos - como passar por cirurgias, morte de entes queridos, acidentes, e outros - podem ser tão traumáticos e marcar tanto que mudam certos traços da personalidade do sujeito.
Percebi muito disso em mim mesma.
Passamos a dar um valor maior a certas coisas quando sofremos um tipo de "trauma".
Parei para pensar no que eu queria para mim, o que estava fazendo da minha vida, o que e quem era importante para mim, quem realmente se importava comigo. Quem sou eu.
Esta última, claro, não dá pra responder definitivamente.
E infelizmente estas reflexões não me trouxeram tantas coisas boas, pois me jogaram mais fundo na minha solidão. Me fez uma pessoa mais fechada.
Com mais vontade de ficar boa e de realizar meus sonhos, sim, claro, é verdade.
Mas pensando melhor nos modos de alcançar meus objetivos, em quem vai estar ao meu lado. Buscando sempre 1º a minha saúde, meu conhecimento, meu crescimento, meu bem-estar. Por um lado isso é bom.
Mas pensando e quem vai estar comigo, é como um filme em que vejo as pessoas sumindo... Sobram poucas pessoas. Poucos amigos. Mas os verdadeiros.
Talvez eu é que deposite confiança demais, dê o máximo de mim e espere demais dos outros.
Por isso me machuco. E por isso agora me fechei um pouco mais.
Dia desses tive que sair da sala de aula de tanta angústia (inclusive este era o assunto que estava sendo estudado) que eu estava sentindo, tanta vontade de chorar, solidão, desespero. E ninguém notou quando saí. Nem quando voltei...
Apesar de gostar da solidão, sinto falta de ter alguém comigo.
Para me dar carinho,
me dar o ombro para chorar,
um beijo para acalmar,
uma palavra para me fazer sorrir,
um abraço para proteger e aquecer....

Enquanto não encontro, vou vivendo minha solidão.

BeeeijOs!

2 comentários:

Evelyn Oliveira disse...

Olá,
Estou dando uma passada rápida para avisar que darei um tempo da net por uns tempos por problemas pessoais.
Quero agradecer a atenção e o carinho que todas as meninas do blog têem por mim e pelo cupcake.Obrigada!!!

Bjos e até +

Gui disse...

Rah! Vc é mais maravilhosa que eu imaginava! A cada dia que passa me apaixono mais por vc! Vc é única! Adorei o post, está de parabéns. Vc é apaixonante. Realmente é de parar e pensar. Bjos princesa!