29/04/2010

Frágil



Dizem que nunca estamos plenamente felizes (eu mesma já disse isso aqui no blog tb).
Se algo vai bem em um "setor", em outro parece um caos.
Sempre falta alguma coisa.
Aquela falta, aquele vazio que nos move.
Mas sinceramente falando, ultimamente tenho tido dificuldade em identificar o setor que está realmente bem.
E tenho até medo de descobri-lo e as coisas piorarem.
Tento sempre ver as coisas por outro ângulo, pensar que tudo isso vai passar, e então surge algo para me jogar para baixo.
As vezes tenho vontade de desistir de tudo.
Mas sei que fugir dos problemas não os resolve.
E que não posso ser tão "egocêntrica" assim.
Além do mais, é na dificuldade, na provação que mais se aprende. Se evolui.
É superando limites "insuperáveis"...
Ultrapassando obstáculos.
Caindo e aprendendo a se levantar.
Mesmo com as feridas da queda..

Ando enfrentando muitas destas "provações", e não estou muito bem..
Com a minha dificuldade de dividir minhas dores, elas ficam maiores.
O tombo sempre parece maior.
E sempre que pareço me recuperar de uma queda, tropeço em outra pedra.
Nem sempre tem alguém por perto para me ajudar a me levantar.
Quando resolvo dividir um pouquinho das minhas dores com pessoas próximas, a maioria delas não me entende.
Talvez pela forma de me expressar, por eu não conseguir extravazar tanto...
Ou por não entenderem porque não sentem ou não sentiram o que sinto.
Mas talvez tenha que ser assim.
Talvez a cruz não seja tão pesada afinal...
Talvez eu tenha mesmo que carregá-la sozinha. (Não é verdade que Ele nunca nos dá uma cruz que não podemos carregar?).
Talvez as coisas estejam melhores no final das contas...



“Frágil – você tem tanta vontade de chorar, tanta vontade de ir embora. Para que o protejam, para que sintam falta.
Tanta vontade de viajar para bem longe, romper todos os laços, sem deixar endereço. Um dia mandará um cartão-postal, de algum lugar improvável.
Bali, Madagascar, Sumatra.
Escreverá: penso em você.
Deve ser bonito, mesmo melancólico, alguém que se foi pensar em você num lugar improvável como esse.
Você se comove com o que não acontece, você sente frio e medo.
Parado atrás da vidraça, olhando a chuva que, aos poucos começa a passar.”


[Caio F. Abreu]

7 comentários:

Desabafando disse...

Sei bem como é isso mas vi que com o tempo não posso ficar esperando ninguém me ajudar a levantar. Tive que aprender a levantar sozinha, é difícil, é péssimo mas com o tempo vc aprende a se levantar mais rápido.

jefhcardoso disse...

Rah, pensei em uma maneira de falar e homenagear a todos que tanto vêm me incentivando com o carinho e apoio que me doam.
Escrevi uma crônica pensando em nós blogueiros. Falei sobre o que penso ser o blog para nós. Você pode concordar ou discordar; pode também acrescentar; mas não deixe de opinar. Leia e entenderá por que a sua opinião é indispensável para mim e para todos blogueiros.

Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

Anônimo disse...

Nossa me vi em tantas linhas desse seu texto .As vezes me sinto assim todos os dias, as vezes o dia todo e parece que vai ser para sempre ,mas não é
Nunca é para sempre e olha que coisa boa ...
A vida muda os problemas tambem pq nós mudamos e em algum mmento invisivel que não tenho ideia de qual seja,damos um novo olhar para tudo
Sei la acho que é isso que faz da vida essa coisa magica mas que tambem da medo
Adoro seus textos .
Ps Se as coisas não piorarem por aqui rs,te mando um carato de Bali rsrsrsrssr

♥Fabi♥ disse...

Oie

interessante o seu texto, me sinto assim as vezes, em dias como hoje por exemplo e sabe fico me perguntando "será que alguma coisa sempre tem que sair errado pra gente aprender?" A vida é um aprendizado , não é mesmo, e só se aprende com os erros, logo viver é um erro constante , mas com um número infinito de aprendizados constantes entaum não desista amiga, eu não vou desitir, no fim nos reconheceremos do outro lado do espelho como pessoas grandes cheias de experiências maravilhosas.

Bjus
até a proxima ♥

Dil Santos disse...

Rah, vc tá bem?
Menina, sei bem como é isso, as vezes sabemos mais ou menos onde está o erro, mas o medo de descobrir mais é maior, rsrs
Ai q lindo essa citação do Caio, achei perfeita. rs
Então, é incrível a semelhança de textos q a gente sai encontrando por aí né? rsrs
Bjos
:)

Petro disse...

Ai que me dera ouvir este poema saindo de tua boca e entrando em meus ouvidos...

Amo a poesia de Vini...o de morais.

Angel disse...

RaH, fiquei feliz em ler o post posterior a este, e sentir que você está melhor. De qualquer maneira, vou deixar aqui minha impressão sobre este seu momento aqui, porque afinal, me identifiquei demais com tudo que você escreveu.

Sabe, outro dia conversando com um amigo, falei que me sentia mal de reclamar da vida, porque eu teoricamente não tenho do que reclamar, tenho casa, comida, não passo necessidade de nada, tenho família, amigos... Mas ele me disse algo que até então ninguém havia dito, que eu tenho direito de reclamar sim, que não é porque há pessoas com dificuldades maiores que as minhas que devo simplesmente me calar e aceitar. Somos humanos, seres imperfeitos por natureza, formados de carne, osso e sentimento. Tudo o que acontece a nossa volta, tudo o que vivemos ou assistimos nos afeta, e não é possível ignorar isso. E temos nossas necessidades, não só físicas, mas espirituais, de alma, também. E este meu amigo me aconselhou a me dar o direito de sofrer, de chorar, de achar que está tudo errado, que o mundo é injusto sim, ao menos um pouquinho, porque depois o dia passa, e leva com ele muitas coisas, inclusive esses meus pensamentos... É sentir tudo, sabe? Não se ignorar. E no fim, tudo vai se ajeitando, a gente consegue pensar com mais calma, a fase ruim passa e a gente encontra um pouco de paz. Ao menos, até a próxima tempestade...

Desculpe a delonga, falei tantas coisas... Mas, enfim, saiba que você não está sozinha, que por aqui, neste mundo virtual tão real, há quem se indentifica, admira, e se dispõe a ajudar. Então, qualquer coisa, estamos ai.

Abraço, flor!